sábado, 28 de março de 2009

Eu não...





Eu não me abandonaria
Eu jamais falaria de modo grosseiro apenas para me afastar das conversas que não queria ter.
Eu não fingiria prestar atenção no noticiário para evitar olhares reveladores;
Eu não me faria promessas e planos que não tenho intenção de cumprir.
Não me deixaria sentir menor, e sem importância.
Eu não me magoaria com atitudes impensadas.
Eu não usaria minha insegurança como alicerce para minhas decisões.
Eu não faria nada que desagradasse que me fizesse perder a razão e minar o amor aos poucos.
Eu simplesmente não agiria contra mim em um momento de raiva.
Não ficaria inventando mil maneiras para testar o meu gostar e a minha lealdade.
Não fingiria não sentir nada após uma briga só pelo prazer de me machucar um pouco mais.
Eu não tentaria supor que eu estaria melhor sem mim.
Eu JAMAIS provocaria dor de partir meu coração.
Mas você não sou eu e é por isso não posso esperar que suas atitudes sejam as minhas...




* Depois de mais uma conversa com o Fê(melhor amigo) sobre nossos relacionamentos ou não relacionamentos, saiu esse texto!

2 comentários:

Pedro Antônio disse...

É verdade. :)

É sempre o circo que vai embora da cidade. Mas acaba que, de algum modo, ele fica na gente.

Mas, às vezes também, a cidade não dá a mínima pro circo, e vai embora, indiferente, deixando os sentimentos soltos em qualquer lugar.

Que bom que você encontrou meu blog. Fiquei muito feliz! Eu gostei demais do seu. A imagem dos peixes é fantástica. Muito sensível.

Te espero mais vezes lá na Torre, viu!? Obrigado pelo carinho nas palavras.

Um beijãooo!

Pedro Antônio - A TORRE MÁGICA - www.atorremagica.blogspot.com

Ademar Oliveira de Lima disse...

Muito boa a reflexão sobre si mesmo!!
Estive por aqui conhecendo o seu trabalho!!
Abraço Ademar!!!